Ghost in the Shell concorre a prêmio por maquiagem

Por Jorge Boruszewsky

Recentemente foi noticiado pela Make-Up and Hair Stylists Guild (Associação de Maquiagem e Cabeleireiros) que o live-action americano de Ghost in the Shell está disputando uma premiação na categoria de melhor maquiagem contemporânea.  As artistas responsáveis pela maquiagem no filme, Deborah La Mia Denaver e Jane O’Kane, são creditadas para a premiação.

Também especula-se que Ghost in the Shell pode concorrer ao Oscar na categoria de maquiagem e cabelo. Sua participação ainda está sendo decidida. Outra possibilidade seria a de concorrer na categoria de efeitos visuais, mas a academia limitou a lista de possíveis candidatos para apenas 10 filmes, deixando de fora Ghost in the Shell e tirando a possibilidade de participar na categoria.

O longa-metragem teve a sua estreia no dia 31 de março de 2017 nos Estados Unidos, e em novembro, venceu a premiação Hollywood Professional Association Award, na categoria de melhor esquema de gradação de cores como recurso em um filme. Nessa mesma premiação, Ghost in the Shell, foi nomeado para a categoria de melhores efeitos visuais em um filme, porém sem êxito.

Ghost in the Shell, é uma produção nipônica de 1989, com o mangá escrito e ilustrado por Masamune Shirow. No ano 1995, o estúdio Production I.G, produziu o anime longa-metragem de mesmo nome, baseado na obra. O filme teve ótima repercussão , sendo  considerado mundialmente um divisor de águas para o gênero de ficção científica, especialmente para o sub gênero cyberpunk.

Em 2017 a franquia teve o seu primeiro live-action. Estrelado pela atriz americana Scarlett Johansson e dirigido pelo britânico Rupert Sanders (diretor de Branca de Neve e o Caçador). No fim de semana de estreia de Ghost in the Shell, o filme arrecadou US$ 18,676,033 só nos Estados Unidos. Globalmente, estima-se que o live-action tenha gerado uma receita de cerca de 170 milhões de dólares (algo em torno de 550 milhões de reais na cotação atual).

Leia também: 

A Vigilante do Amanhã: Ghost In the Shell | Crítica