Ridley Scott retira Kevin Spacey de Todo O Dinheiro do Mundo

Em uma ação, até então sem precedentes em Hollywood, o diretor Ridley Scott (Gladiador, Blade Runner) vai substituir o ator Kevin Spacey do longa Todo o Dinheiro do Mundo. A produção, que já estava finalizada, terá cenas regravadas com a troca de Spacey pelo clássico ator Christopher Plummer (Malcolm X). O filme conta a história real do milionário sovina Jean Paul Getty, na década de 70. A produção deveria estrear no dia 22 de dezembro nos Estados Unidos, colocando o então astro de House Of Cards nos holofotes do Oscar. Relembre o trailer original, antes que tirem do ar:

Spacey, como podemos ver, foi realmente transformado para viver Jean Paul Getty. A produção contará a história do sequestro de seu neto de 16 anos, John Paul Getty III (Charlie Plummer) e a desesperada tentativa de sua mãe Gail (Michelle Williams) de reavê-lo. O drama mostraria a difícil tarefa de convencer o homem mais rico do mundo a ajudá-la a pagar o resgate, mostrando toda a faceta do mal do personagem e da atuação de Kevin Spacey.

Spacey está longe de qualquer filmagem desde a pausa anunciada pela Netflix na sexta temporada de House Of Cards. Ele foi acusado pelo ator Anthony Rapp (Star Trek: Discovery) de abuso sexual. O rapaz tinha 14 anos. Na época, Spacey teria 26. Depois disso, denúncias de pelo menos oito pessoas da equipe de produção de House Of Cards aumentaram o peso do caso, alegando que ele comete excessos de forma rotineira em seu ambiente de trabalho, se valendo da posição de estrela e produtor executivo da série. Tudo ficou pior quando, junto das denúncias, Spacey pediu desculpas para Rapp, disse não se lembrar do ocorrido, assumindo sua homossexualidade, em um anúncio completamente questionável. A Netflix então tirou Spacey de House Of Cards e disse que não vai mais trabalhar com o ator.

Segundo o Deadline, as gravações de Todo o Dinheiro do Mundo começarão de imediato. A decisão pela retirada de Spacey teria sido tomada em acordo com o elenco e com a Sony. Michelle Williams e Mark Wahlberg também devem estar presentes nas refilmagens.

As estruturas de Hollywood estão sendo testadas desde o final de setembro, com as inúmeras denúncias ao produtor Harvey Weinstein, que teria usado seu cargo para chantagear e abusar dezenas de atrizes. Na campanha contra a quase “cultura” de Hollywood estão Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Alison Sudol, Lena Headey, Jennifer Lawrence, Björk, Reese Witherspoon, entre outras. A lista só aumenta e também já incluiu o diretor Bratt Ratner (X-Men: O Confronto Final), além de Charlie Sheen, resgatando casos de abuso contra o falecido ator Corey Haim, durante as gravações de um filme em 1986. Haim teria 13 anos, enquanto Sheen tinha 19.

Ao que tudo indica, notícias assim não vão parar tão cedo.

Leia também:

Kevin Spacey se transforma em Todo o Dinheiro do Mundo

Hollywood e o assédio contra as mulheres: precisamos falar sobre isso