O que está acontecendo com Shia LaBeouf?

Da perda de papéis até os elogios em Toronto, a carreira de LaBeouf sofre com altos e baixos

Nesta semana, foi divulgado que Shia LaBeouf não estará em Indiana Jones 5. A notícia pegou os fãs do filme do aventureiro mais famoso do cinema de surpresa. Afinal, pela tendência natural das coisas, Harrison Ford, invariavelmente, passará seu chapéu e deixará de protagonizar o longa, dando espaço para outro personagem. Pela lógica, seria para Mutt Willians, papel vivido por LaBeouf no longa Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008), já que esse foi o jovem pupilo que acompanhou Jones na missão. Apesar de todos os indícios dessa substituição, Shia LaBeouf não faz parte do roteiro, que já está fechado.

Desaparecido da grande mídia, o ator de 31 anos vem colecionando polêmicas em torno da sua carreira e da sua conduta. Só em 2017 o ator foi detido duas vezes. Na primeira vez, foi preso durante protesto contra o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na segunda vez, em julho, ele foi acusado de conduta desordeira e intoxicação pública. O ator estava em Savannah, Geórgia, Estados Unidos, gravando o filme independente “The Peanut Butter Falcon”. Segundo a polícia local, ele se aproximou de duas pessoas, sendo uma delas um policial, e pediu um cigarro. Segundo o policial, quando o ator não recebeu o cigarro, se tornou agressivo e desordeiro, usando palavras de baixo calão. Foi solto, no dia seguinte, depois de pagar fiança de US$ 7.000,00 o que corresponde a cerca de R$ 22,8 mil. Ele foi detido outras três vezes. A primeira vez em 2005, com 18 anos, por dirigir embriagado em Los Angeles. Em 2014, por tumultuar um espetáculo da Broadway. E em 2015, por intoxicação pública.

E não são só polêmicas envolvendo casos policiais que LaBeouf se mete. Várias denúncias de plágio já foram feitas contra ele. Quando lançou o curta-metragem “HowardCantour.com”, os próprios espectadores notaram a semelhança com o trabalho do quadrinista Daniel Clowes. Inclusive, partes dos diálogos do filme era iguais aos da história em quadrinhos “Justin M. Damiano”. Durante toda a divulgação do filme, não foram dados os créditos a Clowes, que se disse chocado com o plágio. Quando LaBeouf resolveu se desculpar, não poderia ser da pior forma: o ator fez um tweet de desculpas usando um texto também plagiado e desmascarado pelo site AV Club, que viu que o conteúdo havia sido escrito por um usuário do Yahoo!Respostas. Depois dessa acusação, várias outras acusações de plágio surgiram no trabalho do ator, tanto que alguns fãs chegaram a acreditar que tudo não passava de uma grande brincadeira. A segunda tentativa de se desculpar para Clowes também pode ser considerada como um absurdo. LaBeouf contratou uma avião e escreveu na virada do ano (quando estão todos olhando para o céu) “I am sorry Daniel Clowes” (Eu sinto muito, Daniel Clowes). A criadora de Girls, Lena Dunham disse no Twitter que LaBeouf tinha atitude de um sociopata. Por sua vez, LaBeouf se desculpou, plagiando um tweet da própria Lena.

Passadas as críticas ao seu trabalho, LaBeouf resolveu anunciar sua renúncia à vida pública, segundo ele, pelos ataques contra a sua integridade artística. Menos de um mês depois, o ator voltou atrás e disse que tudo não passava de uma brincadeira. Logo, ele anunciou que isso fazia parte de um projeto. Contudo, depois da exibição de Ninfomaníaca, filme que ele protagoniza, em uma coletiva de imprensa, o cara se irritou com as perguntas, deu uma resposta atravessada (também copiada de um jogador de futebol) e abandonou a coletiva. Em um tapete vermelho, o ator apareceu com um saco de papel na cabeça escrito “I am not famous anymore” (Eu não sou mais famoso). Ele repetiu a frase diversas vezes no Twitter.

Contudo, temos uma notícia boa para quem torce pelo ator: neste mês de setembro, o último filme protagonizado pelo ator, abriu o Festival de Cinema de Toronto em 2017. LaBeouf viveu o temperamental tenista John McEnroe em “Borg/McEnroe”. Naquele clichê da vida que imita a arte e a arte que imita a vida, talvez esse seja o papel que mais se assemelhe com a personalidade do ator, já que o tenista era conhecido por tratar o jornalistas aos berros e se envolver em confusões. O filme vem sendo bem aceito pela crítica e Shia LaBeouf está aceitando participar de coletivas, depois de não ter sido visto em público desde julho deste ano. Constantemente, nas coletivas do filme, o ator era questionado sobre a semelhança com o tenista. LaBeouf, um uma das suas respostas disse que “Esse é só mais um paralelo que vejo com McEnroe. Por isso, esse filme é uma catarse”.

Mas quais são as explicações para LaBeouf agir dessa forma? Um gênio incompreendido? Um ator cansado da fama? Ou alguém que sofre com algum tipo de distúrbio de comportamento? Infelizmente, os indícios nos apontam para o último item das hipóteses. Tudo indica que LaBeouf sofra de sérios problemas com álcool. No começo de julho, o ator deixou a sua casa em Hollywood e decidiu começar o tratamento contra o alcoolismo em uma clínica de reabilitação. Essa é a segunda internação do ator. Em 2014, LaBeouf já havia começado seu tratamento, motivado por Brad Pitt, na época em que atuaram juntos em Corações de Ferro (Fury) – aliás, uma boa dica de filme, dirigido pelo criticado David Ayer (Esquadrão Suicida). Porém, a nova postura do ator em suas últimas coletivas de imprensa mostram uma reação positiva, diferente do que vimos em sua carreira até aqui.

Seria esse um recomeço para o ator? Nós torcemos para que seja.