The Walking Dead | Review da 7ª temporada

E lá se foi mais uma temporada de The Walking Dead. A sétima, de uma das séries mais aclamadas e assistidas no mundo. E mais uma vez, decepcionante. Nem mesmo o tão esperado último episódio, aquele que traz aos fãs a esperança de muito tiros, sangue zumbi (ou não) e reviravoltas, vingou desta vez.

A temporada inteira, que tinha começado excelente com a apresentação de Negan e a solução do final da sexta temporada, é resumida nesse último episódio. Muita conversa, pouca ação e poucas surpresas. Ok, tivemos lá algumas reviravoltas (ou plot-twist se preferir), mas todas já meio que sugeridas anteriormente. Nessa temporada tivemos a apresentação de Ezekiel e da galera do Reino. Isso foi muito bom, mas foi só. Muita enrolação, conversa e pouca ação, esse é o resumo da temporada.

A prisão e fuga de Daryl e a origem de Dwight não trouxeram tanta empolgação quando se espera uma história cheia de ação e emoções. Rick sempre tentando unir as cidades de Alexandria, Hilltop e o Reino passou batido, meio que previsível até. O pessoal da cidade de Hilltop não cativa, e o fim de Gregory trouxe um pouco mais de satisfação para todos. Todos odeiam ele, por isso, temos que saudar o belo trabalho do ator Xander Berkeley.

Tara e suas amigas guerrilheiras tiveram uma evolução interessante, mas, mais uma vez, muita conversa e pouca ação. A busca de Rick e sua turma por mantimentos trouxe alguns momentos interessantes, mas no mesmo esquema dessa temporada, e que sim, vou repetir: muita conversa e pouca ação. Totalmente desnecessário um episódio em que ele e Michonne saem “em lua de mel”.

Um dos brilhos da série é Jeffrey Dean Morgan na pele de Negan, todos adoram odiar ele! Os melhores episódios são os focados nele e nos seus Salvadores. Sua expressão e trejeitos são impressionantes. O pessoal da “cidade” – lixão/ferro-velho – foi mais um núcleo que passou batido. Mesmo com a reviravolta no último episódio, houve pouca contribuição de conteúdo para a série Nota: eles não existem nos quadrinhos originais.

(ATENÇÃO SPOILERS)

Levaram 15 episódios, para que no último, tenhamos uma personagem do núcleo secundário (considero o primeiro núcleo apenas os que estão desde a primeira e segunda temporada, menos o Morgan) ter um fim interessante. Sasha se sacrificou e seu desfecho foi impactante, mas perdeu força por causa dos flashbacks dela e de Abraham, que convenhamos, não faz tanta falta assim.

O que importa é que finalmente teremos GUERRA!!! Mas para isso, teremos que esperar até outubro para ver o embate de Rick, Carl, Daryl, Carol, Maggie, Michonne (o primeiro escalão) e Negan e seus Salvadores. Espera aí? Não era uma série sobre apocalipse zumbi???

É entusiasta de The Walking Dead? Então você vai adorar as estampas da série disponíveis na Chico Rei: http://bit.ly/2oZqSkc

Veredito da Vigília

Éderson Nunes

@elnunes